Oferecer condições para o desenvolvimento de uma atividade como essa requer uma visão mais abrangente do negócio, já que a sustentabilidade perpassa pela consciência ambiental

Cássio Peixoto, Presidente da Bahia Pesca

Bahia Pesca libera dois milhões de caranguejos em manguezais de Santo Amaro

Mais dois milhões de megalopas (filhotes) de caranguejo serão liberados amanhã (8) nos mangues da região de Santo Amaro da Purificação, a 72 km de Salvador. Esse é o terceiro repovoamento feito pela Bahia Pesca, empresa vinculada à Secretaria da Agricultura, totalizando mais de 3,2 milhões de animais soltos este ano no manguezal de Porto de Acupe, com apoio da comunidade local.

 

O primeiro repovoamento ocorreu no mês de março com a liberação de 500 mil megalopas. Em abril, outros 750 animais foram colocados na natureza. "Desta vez vamos liberar um volume maior de filhotes, aproveitando as condições estruturais do laboratório onde as megalopas foram produzidas e o clima é favorável", explica o gerente da Fazenda Oruabo, José Jerônimo Filho. "Com isso, esperamos ter o mínimo de perda possível, ampliando a taxa de sobrevivência dos caranguejos liberados", diz o gerente, lembrando que a ação faz parte do projeto Puçá - Programa Integrado de Manejo e Gerenciamento do Caranguejo-Uçá, realizado pela Bahia Pesca.

 

A produção dos caranguejos em cativeiro começa com a captura de fêmeas ovadas ("grávidas") da espécie. Estes indivíduos são colhidos preferencialmente no mesmo habitat em que as megalopas serão distribuídas no futuro. Os animais são alimentados na Fazenda Oruabo com peixe e camarão até a eclosão dos ovos. É neste momento que "nasce", em forma de larva, a iguaria tão apreciada por baianos e turistas. As larvas então são colocadas em tanques, com temperatura e salinidade da água monitorada, onde se alimentam de microalgas e microcrustáceos e vão se desenvolvendo até atingirem o estado de megalopas, quando estão prontos para serem colocados no meio ambiente.

 

Toda a ação acontece com participação da comunidade que também ajuda a liberar os caranguejos na natureza. Paralela a essa atividade os técnicos da Bahia Pesca realizam trabalhos de conscientização, explicando sobre fases de crescimento dos caranguejos e períodos para captura dos animais. "Oferecer condições para o desenvolvimento de uma atividade como essa requer uma visão mais abrangente do negócio, já que a sustentabilidade perpassa pela consciência ambiental", enfatiza o Presidente da Bahia Pesca, Cássio Peixoto. "E aí está o sucesso dessa ação: a união entre esforço técnico, vontade política e participação efetiva da população", finaliza.

Comentários