A Bahia vem despontando, entre os estados brasileiros, como um dos principais celeiros da agropecuária nacional e agora vai descortinar uma nova matriz produtiva de grande aspecto econômico...

Eduardo Salles

Bahia Pesca define perspectivas para 2013

Reestruturação, fortalecimento, inovação e consolidação. Essas serão as palavras norteadoras das ações relacionadas à Bahia Pesca, empresa vinculada à Secretaria da Agricultura, para o ano de 2013. A profissionalização da pesca artesanal, os novos caminhos para a industrialização, o desenvolvimento da assistência técnica e a ampliação do Programa de Terminais Pesqueiros da Bahia foram os principais eixos estratégicos discutidos pelo corpo técnico, diretores e pelo Presidente da Bahia Pesca, Cássio Peixoto.


"A Bahia vem despontando, entre os estados brasileiros, como um dos principais celeiros da agropecuária nacional e agora vai descortinar uma nova matriz produtiva de grande aspecto econômico e social que é a aquicultura e a pesca", avalia o secretário Eduardo Salles, manifestando seu apoio à atividade e ao novo presidente da Bahia Pesca.


O Estado tem 1.200 km de costa, ocupa a terceira posição no ranking nacional da produção de pescado e a segunda do Nordeste. Além disso, produz cerca de 115 mil toneladas/ano de pescado e é pioneiro na produção de tilápia em tanque-rede. "Neste cenário o principal desafio será estabelecer sólidos impulsos à pesca artesanal e fomentar suporte aos processos de industrialização e comercialização, uma vez que um não funciona sem o outro", analisa Peixoto. "Desta forma, vamos inserir milhares de famílias no mercado da pesca e aquicultura, fomentando ainda a atividade de pequenos, médios e grandes empresários", completa o presidente da Bahia Pesca.


Segundo ele, a partir dessa realidade, será possível alavancar alguns desafios como fortalecimento da Assistência Técnica; Reestruturação das Estações de Alevinos e Unidades Produtivas de Piscicultura; Implantação dos Entrepostos de Pescados em conjunto com a Adab e do Projeto Piloto do cultivo do Bijupirá familiar; Ampliação da capacitação de pescadores; Impulsionamento do Projeto Barco Escola; Regulamentação da Pesca e Aquicultura no Estado; Consolidação, ampliação e definição da gestão dos Terminais Pesqueiros. "Vamos analisar a possibilidade de utilizar o modelo de gestão em Parceria Público-Privado, de modo que possamos ofertar esses serviços essenciais aos usuários dos Terminais de Salvador e Ilhéus" acrescenta Cássio Peixoto, "Afinal os investimentos do Governo do Estado precisam ser traduzidos em benefícios diretos para a sociedade, de forma a gerar emprego e renda para os que mais precisam", diz.
Nesse sentido, uma agenda de trabalho já está sendo elaborada em parceria com a Sedir, através da CAR, e também com o Sebrae e a Secretaria Extraordinária de Portos. Como prioridade também foram colocados os aspectos de infraestrutura para a melhoria dos serviços de Assistência Técnica, a partir do novo modelo de chamada pública, calcada na recente Legislação Federal, como a informatização e gerenciamento dos projetos, de forma a obter uma mensuração rápida e eficiente dos resultados alcançados nos projetos. "Com isso, programas estruturantes como o Vida


Melhor, terão como ser alimentados com dados consistentes e que permitam avaliar as linhas de progresso", aponta Peixoto que, durante a reunião, esteve acompanhado pela Chefe da Divisão de Informática da EBDA, Regina Marinho e pela equipe da Prodeb.

Comentários